Há dois anos parada e devendo milhões, Peixes da Amazônia vive incerteza sem novos investidores

Foto: Reprodução

Em processo de recuperação judicial e devendo mais de R$ 48 milhões para bancos, fornecedores e funcionários, o complexo de piscicultura Peixes da Amazônia, tido nos governos do PT como a redenção econômica do pescado no Estado, vive a incerteza de não ter suas atividades em pleno vapor em 2021. Com suas atividades paradas desde janeiro de 2019, a Indústria e seus acionistas tentam captar novos recursos através de investidores Brasil a fora, mas sem sucesso.

Em setembro deste ano, o Grupo paulista Peixe Bom, do Estado de São Paulo, apresentou ao governador Gladson Cameli o seu interesse em assumir o comando do complexo localizado às margens da BR-317, no município de Senador Guiomard. Representado pelo seu principal investidor, o empresário Jurandir Ramos, que chegou em Rio Branco em seu próprio jatinho, o grupo piscicultor especializado em transporte, compra e venda e assessoria de empreendimentos, sinalizou ao governo do Estado e aos demais acionistas sobre assumir o controle das atividades industriais e administrativas, mas até o momento a proposta ficou apenas nas intenções.

Na época da visita do grupo paulista sobre o empreendimento, o ac24horas apurou que parte dos sócios da empresa tem interesse em se desfazer de suas ações, porém outra parte estaria irredutível por não conhecer as reais intenções do suposto novo investidor. Os acionistas insatisfeitos tem uma “jogada” na compra do negócio por supostos laranjas ligados a políticos do Acre e de fora do Estado.

Procurado pelo ac24horas, o diretor-presidente Agência de Negócios do Estado do Acre (ANAC), Carlos Ovídio, mais conhecido como Resende, informou que as tratativas ainda estão em negociação a partir de um plano de negócio e que o governo e os acionistas aguardam uma proposta firme por parte de investidores que melhor atenda os interesses do Estado.

“Estão sendo prospectados outros [investidores. Só podemos afirmar a partir de uma proposta firme e que atenda o interesse do estado”, disse o chefe da autarquia detentora de 19% das ações da Peixes da Amazônia.

A reportagem apurou com fontes palacianas que até o momento não houve nenhuma proposta palpável de investidores e nem ao menos valores foram tratados. O complexo é mantido por um de seus acionistas que o mantém cuidando dos aparelhos e máquinas industriais de última geração para evitar o sucateamento. Em 2019, empresários chegaram a pedir ao governo a injeção de cerca de R$ 200 mil por mês para manutenção do empreendimento, o que foi negado pelo governador Gladson Cameli na época.

PLANO DE RECUPERAÇÃO JUDICIAL

ac24horas teve acesso ao Plano de Recuperação Judicial elaborado pelos diretores e advogados do complexo que pleiteia a homologação do judiciário. Na proposta, o relatório aponta que atualmente a empresa possui capital social de R$ 62 milhões, distribuído em 54.538 ações. O quadro de acionistas composto pelo Fundo de Investimentos e Participações [35,83%]; sócios privados [33,67%] e Agência de Negócio do Estado do Acre S.A. — ANAC [19,15%]. A Central de Cooperativa também tem participação de 11,35%.

Atualmente as dívidas da empresa totalizam R$ 48,6 milhões entre credores e dívidas trabalhistas. De acordo com o Plano de Recuperação Judicial, o atual cenário de crise da empresa está intrinsecamente ligado a ausência de capital de giro. O não provisionamento de determinados gastos ocasionou, como em um efeito cascata, três grandes problemas: adversidades não provisionadas/previstas; desencaixe de fluxo de caixa e ineficiência produtiva.

De acordo com o relatório, a relação de credores é composta por 274 fiduciários divididos em classes trabalhistas [94], garantia real [2], Quirografários [88], Micro e Pequenas Empresas [90].

A expectativa é que a justiça homologue o acordo judicial após a manifestação dos credores.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *