Cientistas investigam doença desconhecida em índios do Pará

Índios assurini de uma aldeia do Pará apresentaram sintomas de uma doença ainda não identificada, o que tem preocupado autoridades de saúde.

Nos últimos dias, três crianças morreram e cinco tiveram que ser internadas. O Ministério da Saúde continua apurando as causas dos óbitos e o número de infectados.

Segundo a Secretaria estadual de Saúde, os doentes apresentaram infecção do trato respiratório, tosse, dificuldade para respirar, além de febre.

Os primeiros resultados dos exames, feitos pelo Laboratório Central do Estado e o Instituto Evandro Chagas, descartaram infecções por H1N1, metapneumovirus e vírus sincicial respiratório (causadores de bronquiolites)  e coqueluche. A hipótese de elas terem contraído doenças conhecidas, como rinovírus (resfriados) e caxumba, ainda está sendo investigada.

Dos três óbitos, dois ocorreram no Hospital Regional de Tucuruí, na quinta-feira (20) e na sexta-feira (22). A terceira morreu, quando era transferida para Belém, no sábado (23).

As três estavam internadas desde o dia 11, mesmo dia em que técnicos da Secretaria Especial da Saúde Indígena (Sesai) foram enviados de Brasília para ajudar as equipes locais e investigar as causas do mal-estar entre os índios.

Ampliar

Índios que nunca tiveram contato com o mundo externo veem um avião que sobrevoa sua comunidade na Amazônia, perto do rio Xinane, no Acre, perto da fronteira com o Peru. Os líderes da tribo Ashaninka, que divide o território com esta tribo e outras que também são isoladas, pediram ajuda ao governo e a ONGs para controlar o que eles consideram ser uma invasão por essas tribos de suas terras. O movimento das tribos seria pressionado pela exploração madeireira ilegal na fronteira com o Peru. As fotos foram feitas em 25 de março de 2014 Reuters/Lunae Parracho

A equipe da Sesai continua na aldeia, apoiando as ações de assistência à comunidade.

Das cinco crianças internadas no sábado (23), duas foram liberadas para voltar à Aldeia Trocará, na cidade de Tucuruí, no sudeste do Pará.

Segundo a assessoria do hospital, elas apresentaram melhora no quadro clínico, mas não permaneceram na Unidade de Diagnóstico de Meningite, por falta de leito.

As demais continuam sob cuidados médicos no Hospital Universitário Barros Barreto, vinculado à Universidade Federal do Pará, à espera do resultado dos exames.

Alex Rodrigues
Da Agência Brasil

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *