Colisão entre ônibus e carreta deixa 6 mortos e 26 feridos na 364

Seis pessoas morreram e 26 ficaram feridas após uma colisão frontal entre uma carreta e um ônibus na BR-364, na noite de sábado (28), entre as cidades de Vilhena (RO) e Pimenta Bueno (RO). Três dos mortos são da mesma família. Entre os feridos, há 6 crianças e 2 grávidas.

O ônibus da empresa Bruna Turismo, que prestava serviço para a Transbrasil, seguia sentido Porto Velho, com dezenas de passageiros, quando bateu de frente com a carreta que estava na pista contrária, segundo o inspetor da Polícia Rodoviária Federal (PRF) João Paulo Lobato.

O acidente ocorreu a 52 km de Vilhena, numa região conhecida como Vale do Ávila. Chovia forte no momento.

O motorista do caminhão, a mulher e a filha do casal, de 2 anos, morreram. Outros dois filhos do motorista, de 5 e 10 anos, sobreviveram.

Também morreram os dois motoristas do ônibus – um deles era o dono da Bruna Turismo – e uma passageira 45 anos.

O G1 ligou para a Transbrasil por volta das 9h (horário de Brasília) mas ninguém atendeu.

Veja quem são os mortos
No ônibus

Luiz Carlos Amaro, 51 anos, motorista e dono da Bruna Turismo

Ademir Valério de Oliveira, 52 anos, motorista reserva do ônibus

Maria Pereira da Costa, 45 anos, passageira do ônibus

No caminhão

Sérgio de Jesus Pereira, 33 anos, motorista

Maely, 20 anos, mulher do motorista

Karen 2 anos, filha do casal

Mobilização no hospital

Os 26 feridos foram levados para o Hospital Regional de Vilhena, onde uma força-tarefa de 60 pessoas foi montada para atender às vítimas. Algumas tiveram escoriações e 3 passaram por cirurgia, mas a unidade ainda não divulgou o estado de saúde de todas elas.

Entre elas estão dois filhos de Sebastião de Jesus Pereira, o motorista do caminhão que morreu. A menina Áquila Diniz Pereira, de 10 anos, teve o braço perfurado, passou por cirurgia e está internada na Unidade de Terapia Intensiva (UTI). O garoto Adriel Diniz Pereira, de 5 anos, teve uma fratura no fêmur.

As outras vítimas que passaram pelo pronto-socorro não apresentam risco de morte, segundo o secretário municipal de Saúde, Afonso Emerick.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *