Publicado em 18 de março de 2013

Uso de antidepressivos na gravidez pode afetar o bebê, diz estudo

Uma análise de 23 estudos feita por pesquisadores da University of British Columbia, no Canadá, descobriu que mulheres que tomam antidepressivos durante a gravidez apresentam um risco maior de terem um parto prematuro ou acarretar outros problemas ao bebê. As conclusões foram publicadas em março no JAMA Psychiatry.

O levantamento agrupou estudos que examinaram tratamentos antidepressivos durante a gravidez, incluindo antidepressivos mais antigos e os que são comumente usados hoje. Os cientistas notaram que a exposição aos antidepressivos durante a gravidez pode levar ao parto prematuro, menor tempo de gestação (idade gestacional), menor peso do bebê ao nascer e menor pontuação no teste de Apgar (usado para verificar a saúde do bebê logo após o nascimento), em comparação com bebês que não foram expostos.

De acordo com os pesquisadores, mães com histórico de depressão não devem parar de tomar a medicação subitamente, pois isso traria riscos a elas e ao bebê. Eles afirmam que o mais correto é fazer um acompanhamento psiquiátrico desde o pré-natal para descobrir em conjunto com o médico qual o tratamento mais adequado para se fazer durante a gravidez.

Quais especialistas consultar na gravidez?
A cada fase da gestação, as exigências do seu corpo mudam e o acompanhamento médico deve ser feito desde antes da gravidez. Ficar atenta às mudanças e olhar de perto as doenças que podem aparecer evita uma série de problemas para você e o bebê. Confira o que especialistas indicam como cuidados para cada trimestre da gestação.

No dermatologista
As mudanças na pele assustam muitas grávidas. Mas não é preciso pânico, porque a maioria delas é passageira. Escurecimento nas axilas e nas virilhas, a formação de uma linha do umbigo até o púbis são algumas das queixas mais comuns. “Em geral, após o parto, tudo é normalizado sem a necessidade de intervenções médicas”, afirma o dermatologista Gilvan Alves, da Sociedade Brasileira de Dermatologia. De qualquer forma, se você sentir algum incômodo mais intenso, veja como agir em cada fase:

Primeiro trimestre: nenhum produto químico pode ser usado. E mesmo os hidratantes devem ser específicos para gestantes, evitando complicações. Nem mesmo os cremes à base de uréia têm passe livre, porque podem prejudicar a formação do bebê.

Segundo trimestre: o uso dos cosméticos tradicionais está liberado, um alívio para quem está acostumada a uma linha de produtos e não sente o mesmo efeito com outras marcas. As mulheres que sofrem com a acne também podem buscar um tratamento mais forte, incluindo o uso de antibióticos tópicos (e não comprimidos, capazes de prejudicar os dentes do bebê). “Mas nada de agir por conta própria ou seguindo a receita da vizinha. Qualquer tratamento precisa de orientação médica personalizada”, afirma o dermatologista.

Terceiro trimestre: as restrições valem apenas para aplicações de peeling, laser e preenchimentos (proibidos, aliás, para todos os noves meses). Cremes à base de ácidos podem ser usados desde que seu dermatologista autorize (em geral, a concentração deles é bem menor do que a empregada num peeling, por exemplo). De qualquer forma o ideal é esperar a criança nascer antes de fazer tratamentos mais fortes, porque a alteração hormonal continua influenciando sua pele e seus cabelos na fase de amamentação.

(Minha Vida)

Deixe seu comentário

Mensagem (Obrigatório)