Acre sedia encontro do projeto Senasp Itinerante Etapa Norte

O Governo do Estado do Acre, por meio da Secretaria de Justiça e Segurança Pública (Sejusp), recebe entre esta quarta-feira, 27, e a sexta-feira, 29, o encontro do projeto Senasp Itinerante Etapa Norte. O evento tem a finalidade de aproximar os representantes da segurança pública de todas as regiões do país e assim conhecer cada realidade.

Evento tem a finalidade de aproximar os representantes da segurança pública de todas as regiões do país e assim conhecer cada realidade Fotos: Diego Gurgel/Secom

A equipe da Secretaria Nacional de Segurança Pública (Senasp), composta por gestores e o seu corpo técnico, liderada pelo secretário nacional, percorre as regiões brasileiras para ouvir as instituições locais de segurança pública, além de apresentar os programas estruturantes da Secretaria.

Durante a abertura, o governador Gladson Cameli destacou que é uma grande honra para o Acre ser o anfitrião do encontro, tendo em vista os grandes desafios diante da vasta área de fronteiras, o que necessita da presença do Estado. “Aproveito para agradecer por Rio Branco ter sido a capital do norte escolhida para sediar este encontro de suma importância para toda a nossa região. Isso nos enche de orgulho”, disse.

Ele também ressaltou a importância do projeto Senasp Itinerante, que busca ir aos estados para ouvir os agentes de segurança pública sobre a realidade que enfrentam no dia a dia, para encontrar soluções globais que possam beneficiar toda a população brasileira.

Secretário nacional de Segurança Pública, Carlos Renato Paim Fotos: Diego Gurgel/Secom

O secretário nacional de Segurança Pública, Carlos Renato Paim, se dirigiu inicialmente ao governador Gladson Cameli, para agradecer ao governo pelo apoio na realização do evento, tendo em vista às dificuldades durante o período de pandemia. Também aproveitou para falar sobre a importância de se falar sobre segurança pública.

“Falar de segurança pública e defesa social em um país como o Brasil, considerando que todos os estados são semelhantes, é impossível. É por isso que estamos trabalhando por regiões, porque entendemos que essas regiões possuem características que se aproximam”, disse.

Paim reafirmou que a Senasp se faz presente nas regiões para ouvir, conversar e levar a equipe para mostrar produtos e serviços que já existem e podem ser perfeitamente aproveitados. As ideias dos representantes dos estados serão ouvidas e analisadas para que se possa realizar estudos de viabilidade para o desenvolvimento pela Secretaria.

O secretário de Justiça e Segurança Pública do Acre, Paulo Cézar Santos, disse que este é um momento é ímpar para o Sistema de Segurança Pública Nacional e destacou a importância do evento, não simplesmente em se apresentar um portfólio de produtos, mas pela oportunidade de debater políticas públicas. “Esse é o papel da Senasp, introduzir em nível nacional as demandas dos estados”, afirmou.

O secretário relembrou que como profissional de segurança desde 1990 já participou de diversos encontros, principalmente nas áreas de tecnologia voltadas para a segurança pública, mas que nunca teve a oportunidade de, por um período tão longo, discutir de forma regionalizada as peculiaridades da segurança pública. “A segurança do país é um desafio e fazer segurança Pública na Amazônia é um desafio ainda maior”, destacou.

Região de Fronteira

Na oportunidade, Cameli fez um breve relato sobre a situação do Acre, o que de acordo com ele é semelhante ao de outros estados da região norte. “Temos milhares de quilômetros de fronteiras com os dois países considerados os maiores fornecedores mundiais de cocaína, Bolívia e Peru. E todos sabemos que o narcotráfico é o impulsionador de parte representativa da criminalidade em todo o Brasil”, alertou.

Na oportunidade, Cameli fez um breve relato sobre a situação do Acre, o que de acordo com ele é semelhante ao de outros estados da região norte Fotos: Diego Gurgel/Secom

“É preciso que haja um trabalho integrado entre as forças policiais federais, com as polícias militares e civis dos estados”, afirmou Cameli ao destacar que é preciso usar os melhores métodos de inteligência e estratégia.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *