Após 30 dias, hospital de campanha de Rio Branco é concluído em tempo recorde

Definitivamente, o hospital de campanha de Rio Branco é um marco histórico para a Saúde pública acreana. Construído em apenas um mês, o pavilhão de mil metros quadrados contou com a força de trabalho de 400 operários, que não mediram esforços para a conclusão da obra em tempo recorde. A nova unidade faz parte do conjunto de ações do governo do Acre no enfrentamento à pandemia do coronavírus.

Na tarde desta quarta-feira, 10, o governador Gladson Cameli realizou mais uma visita ao local. O gestor destacou a união de todos os envolvidos no empreendimento como fundamental para que a ousada meta de construção fosse alcançada. Agora, as atenções estão voltadas para a montagem dos cem leitos de enfermaria e demais alas do hospital.

“A parte de construção civil está 100% concluída e já iniciamos a instalação dos equipamentos do hospital. Tudo está acontecendo dentro do previsto para que possamos inaugurar este pavilhão nos próximos dias. Gostaria de agradecer o empenho e a união de todos que participaram desta obra e aqui está mais uma prova do esforço do nosso governo no enfrentamento à pandemia do coronavírus”, declarou Cameli.

O hospital de campanha é mais um grande reforço no combate à Covid-19. A unidade contará com tecnologia de ponta e será referência no atendimento a pacientes de vários municípios do estado que necessitarem de atenção médica.

Juntamente com o hospital de campanha de Rio Branco, o governador Gladson Cameli fará a inauguração da terceira fase do Instituto de Traumatologia e Ortopedia do Acre (Into-AC). Serão entregues o maior e mais moderno centro cirúrgico do estado, salas de apoio e auditório.

“É importante deixar claro que a estrutura dos nossos hospitais de campanha são permanentes. Isso significa que, após a pandemia, as estruturas continuarão sendo utilizadas para melhorar ainda mais a estrutura da rede pública de Saúde em prol da população. Também vamos entregar a última fase do Into e colocar um ponto final nessa obra que se arrastava há mais de dez anos”, observou.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *