Cheia do Rio Madeira ainda pode se agravar

cheia madeira 2As águas do inverno amazônico, que provoca cheia histórica no rio Madeira, atingiram na noite deste domingo, a marca recorde de 19,48 metros em Porto Velho, capital de Rondônia. No sábado (22) pela manhã, a Sala de Situação da Defesa Civil do Estado havia registrado 19,40 metros. Uma dezena de bairros da cidade tem ruas alagadas e vilas ribeirinhas inteiras foram engolidas pelo rio, desalojando cerca de 4 mil pessoas na região. E o quadro ainda deve se agravar nas próximas duas semanas.

A previsão de ampliação da crise no Madeira é de relatório do Sipam (Sistema de Proteção da Amazônia), de Porto Velho, finalizado na manhã de sexta-feira. “Chuvas volumosas são esperadas, principalmente em Rondônia, no Mato Grosso e nas áreas a leste dos Andes peruanos e bolivianos, pelo menos até o próximo dia 23 (hoje)”, diz estudo do Centro Gestor e Operacional do Sipam, que subsidia as ações da Defesa Civil.

rio madeira 2014A notícia de que mais água deve elevar a medição, registrada todos os dias às 7 horas, preocupa a Defesa Civil e provoca apreensão nos moradores, que desde o Natal estão sofrendo com a cheia. No dia 15 de fevereiro, a água bateu na marca de 17,57 metros, superando o registro de 1997, de 17,52 metros. Com a expectativa de mais chuvas na bacia do Madeira, formada principalmente pelos Rios Mamoré e Guaporé, mais o Beni, na Bolívia, técnicos do Sipam trabalham com a possibilidade de a medida ultrapassar os 19,50 metros.

De acordo com Ana Cristina Strava Corrêa, coordenadora operacional do Sipam, que é vinculado ao Ministério da Defesa, as chuvas que em outros anos se formavam quando a umidade da Amazônia, empurrada por ventos do Atlântico, chegavam à Cordilheira dos Andes e, de lá, baixavam na direção do Sudeste e Sul do Brasil, chegando a São Paulo, Paraná, Santa Catarina, desta vez caíram antes.

— Estão na área da Bolívia, formadora da bacia do Madeira.

A bacia do Madeira mede 1 milhão de metros quadrados.

“Rios Voadores”

Com dados do satélite TRMN, da Nasa, ela apontou ainda a existência de outros fenômenos climáticos locais que coincidem com a migração de massas úmidas, conhecida pelos especialistas como “Rios Voadores”. Daí o volume recorde de água na região desde outubro, que até a primeira quinzena de abril ainda deve elevar o nível do rio e espalhar suas margens por até 5 quilômetros mata adentro.

É tanta água descendo que, de quarta (19) para quinta-feira (20) a medição mostrou uma rápida elevação: 10 centímetros em 24 horas, segundo o tenente coronel Demagli Farias, um dos líderes da operação especial da Defesa Civil em Porto Velho. Farias, que trabalhava na construção de um acampamento com 180 barracas de lonas para desabrigados, cada uma com capacidade para abrigar até 10 pessoas, no parque dos 3 Tanques, no bairro Nacional, disse que a expectativa é a de que o rio somente se estabilize “a partir do dia 15”.

— O que estamos vendo hoje em Porto Velho é a chegada das águas que caíram há cinco dias na Bolívia.

Somente na capital, há cerca de 400 famílias vivendo em escolas e ginásios. E, com as águas subindo, todo dia, as equipes de bombeiros e voluntários resgatam mais moradores isolados.

O coronel destaca que é preciso “desocupar as escolas para que as crianças da rede possam ter aulas”.

— E podemos armar mais 180 barracas.

As informações são do jornal O Estado de S. Paulo.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *