Depois de 35 dias em greve, servidores dos correios retornam ao trabalho

Após 35 dias de greve trabalhadores dos correios decidem suspender o movimento após retorno de 29 das 79 cláusulas da sentença normativa do TST, porém, das 29 só 3 tem plano econômico que são o ticket alimentação, plano de saúde e reposição de 2, 60%.

o movimento acabou, mas os trabalhadores dos correios continuam amargando um prejuízo de cerca de 40% anual, a medida de acordo com a direção do sindicato é fruto de uma manobra política da direção da empresa que conseguiu derrubar 50 das 79 cláusulas da sentença normativa concedida pelo tribunal superior do trabalho em favor dos carteiros antes, o STF, havia derrubado essa sentença do TST, aliás, foi a primeira vez que isso aconteceu  só que a direção dos correios entrou com nova ação no tribunal superior trabalho e conseguiu anular a decisão anterior da própria corte.

Centro de Tratamento de Encomendas dos Correios em Benfica, zona norte da cidade, durante a greve decretada após assembléia geral dos trabalhadores (Fernando Frazão/Agência Brasil)

Todas as cláusulas mantidas no acordo foram propostas pelos correios entre elas, ticket alimentação, plano de saúde e reposição de 2,60% sobre os dias parados, foi decidido que metade dos dias parados será descontado em folha e a outra metade será compensada, a fim de recuperar o tempo perdido inclusive com entregas nos finais de semana.

Na sentença, o TST determinou que os trabalhadores retornem automaticamente aos postos de trabalho sob pena de multa de r$ 100 mil reais as entidades representativas, Susi Cristiny lembra que os trabalhadores quiseram prejudicar a entidade, pelo contrário, a luta é para tornar os correios um órgão eficiente, rentável e público o objetivo é esse com o fim da greve os trabalhadores vão se esforçar para atualizar a entrega de encomendas.

Reportagem/ Ronaldo Guerra.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *