Eletricitários ameaçam greve geral por tempo indeterminado

“A reunião de hoje em Brasília envolve o movimento sindical que representa a categoria de trabalhadores das centrais elétricas brasileiras com as lideranças da Eletrobrás. Caso não se chegue a um entendimento, a categoria entrará em greve por tempo indeterminado, principalmente pela situação em que vive hoje o setor elétrico brasileiro”, explica o secretário geral do Sindicato dos Urbanitários, Marcelo Jucá.

eletroacre
Foto: Regiclay Saad

Segundo ele, a categoria reclama que a empresa não está fazendo os investimentos necessários. “Estão cortando gastos onde o movimento sindical compreende que não há como cortar. Em dezembro do ano passado saíram muitos trabalhadores do Acre e demais estados, por meio do pedido de demissão incentivada, mas eles não foram substituídos. A situação está difícil tanto na capital como no interior”, acrescenta.

A categoria, segundo Marcelo Jucá, compreende que a empresa tem como prestar um serviço de qualidade, mas, para isso, precisa de maior planejamento, contratação de pessoal e investimentos. “Estamos preocupados até com um serviço que tem levado cidadania para muitas pessoas, que é o Programa Luz Para Todos. Até o recurso que teria que vir da Eletrobrás e do Ministério das Minas de Energia está sendo suspensos”, lembra.

Para Marcelo Jucá, a prestação do serviço, que já não era da melhor qualidade, tende a piorar em virtude das reformulações feitas pela empresa. “Foram tirados de vários municípios os chefes das unidades que podiam atender a população e buscar soluções imediatas para os problemas de falta de energia e outras queixas de falhas no setor. Aquele que estava ali para correr e cobrar empenho da empresa terceirizada”, frisa.

Municípios estão sem pessoal

Marcelo Jucá esclarece que a partir da restruturação feita na Eletrobrás Acre foram retirados os gerentes que respondiam pelos serviços do Programa Luz Para Todos em Manoel, Urbano, Senador Guiomard, Assis Brasil, Plácido de Castro, Porto Acre, Jordão, Mâncio Lima, Porto Walter e Rodrigues Alves. “Nessas localidades não tem sequer um representante da Eletrobrás para encaminhar os trabalhos”, detalha.

Para pressionar a contratação de mais pessoal, o sindicato fez um levantamento com a quantidade de consumidores e a distância das localidades até Rio Branco. O objetivo do estudo foi mostrar a situação e pedir que a empresa reveja as mudanças já feitas. “Estamos cobrando a contratação de novos trabalhadores e eles estão informando que até o fim do mês será realizado um concurso publico. Isso pode ajudar”, comenta.

E enfatiza: “O quadro antes da saída do pessoal aqui no Acre já era bem abaixo do que se precisava. Em 1999 a gente tinha em torno de mil funcionários efetivos para atender 90 mil consumidores. Hoje temos em torno de 300 funcionários para atender mais de 200 mil”.

Val Sales – Jornal Página 20

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *