Publicado em 9 de setembro de 2013

Feira de Economia Criativa estreia em Brasileia com cultura e arte

Carimbó, balé, apresentações musicais, exposição artística, artesanato e culinária marcaram a estreia da Feira de Economia Criativa em Brasileia. Cerca mil pessoas passaram pela Praça Hugo Poli no último final de semana. A feira encerra as atividades da Caravana de Cultura e Humanização.

A cidade recebeu o projeto na terça-feira, 3, com a palestra do produtor cultural Ale Barreto. Foram ministradas durante toda a semana oficinas de teatro, cinema, humanização, qualidade de vida e educação patrimonial.

A ação do governo do Estado é coordenada pela Fundação de Cultura Elias Mansour (FEM) e Diretoria de Humanização da Gestão em parceria com as prefeituras.

“O resultado foi positivo quanto à comercialização, mostra de produtos e participação do público. Brasileia apresentou uma diversidade cultural muito rica em sua programação. É mais uma cidade que recebe a caravana e faz bonito. Ficamos felizes e agradecemos a parceria da prefeitura local”, comenta Elineide Medeiros, coordenadora do projeto.

A arte da floresta

Ecoarte é o nome da exposição convidada. De autoria de Geraldo Madaleno dos Santos, a mostra traz 67 peças esculpidas em madeira. São troncos e raízes coletadas por ele durante oito anos e transformadas em obras de arte. O público se encantou com o trabalho do escultor da floresta.

Natural de São João Del Rey (MG), o artista há 29 anos veio morar no Acre e se diz um acreano de coração. “O Acre é minha terra, uma terra abençoada”, afirma.

Tudo começou assim: Geraldo, após se aposentar, comprou a colônia São José na BR-317, Estrada do Pacífico. Naquelas terras, ao caminhar pelas matas e campos, começou a perceber formas nos troncos e raízes caídas. “Catava tudo, trazia pra casa e começava a traçar os desenhos. Muitas vezes era pesado pra transportar a peça, então voltava com o cavalo ou o carrinho de mão, mas não descansava até conseguir pegar, nem dormia pensando”, disse.

Nasce a obra do artista. Limpava as raízes, os troncos e galhos, retirando as cascas para assim começar a criar suas esculturas. “Nunca tive ferramentas, era tudo no terçado e serrote mesmo”, conta. Para ele sua criação é um dom de Deus. “Acho que Ele me escolheu e nesse sentido creio que a arte não tem idade”, avalia Geraldo.

É a primeira vez que sua obra ganha uma exposição. O artista vê na oportunidade um espaço aberto para sensibilizar principalmente os jovens no trato em relação ao meio ambiente.

“Quem sabe, a partir de agora, eu não faça mais exposições em escolas, por exemplo, e crianças e jovens possam atentar para o cuidado com o planeta? Estou muito feliz por esse reconhecimento”, comenta.

O artesanato tipo exportação na feira

José Rodrigues Araújo, o Doutor da Floresta, ex-seringueiro, hoje um microempreendedor que ganha o mundo com a exportação de seus produtos – sapatos, botas e sandálias em Folha Líquida Defumada (FDL) – que estão em vitrines de São Paulo, Inglaterra e Holanda.

Uma capacitação com 40 seringueiros para aprender a produzir a FDL fez seu lançamento no mercado. Foi daí que surgiu a ideia de criar suas peças. Ele já expôs em feiras de Rio Branco, Brasília, Santa Catarina e outros lugares.

A produção é feita com ajuda das artesãs Francisca Monteiro e Juliana Lima. Cerca de 800 pares são comercializados ao ano. O preço para exportação é de R$ 40 e por unidade R$ 70. Todo o design é de sua autoria.

“Consegui agregar valor ao meu trabalho. A minha vida era de cortar seringa, hoje produzo produtos a partir dela. As feiras são uma forma da gente tornar o produto conhecido, e vender também, mas a divulgação é a alma do negócio”, relata, satisfeito com a venda de suas peças na feira.

O diálogo com a fronteira

Marta Orozco, indígena qolla, trouxe uma mostra do artesanato de seu povo para o espaço da feira. Formada em Ciência da Informação, a artesã acredita que participar de eventos é uma forma de fortalecer a economia do artesanato.

“Além disso, nessas oportunidades acontece o intercâmbio, onde conhecemos outras culturas. A feira é a base da economia para os artesãos. É quando toda a cadeia produtiva se move”, disse.

Em cartaz na programação um leque de apresentaçõGrupo de Carimbó do Sesc apresenta coreografia de Roberto Peues: Grupo de Carimbó do Sesc, sob a coreografia de Roberto Peu, o balé da Escola Adorarte e o espetáculo de dança Volta ao Mundo (Sesc).

 Por Rose Farias

Deixe seu comentário

Mensagem (Obrigatório)