Homem de 64 anos recebe alta e equipe do Into-AC registra momento

A foto, tirada às pressas com a equipe multiprofissional em Saúde, pode não ter a qualidade daquelas de grandes profissionais da fotografia. Mas tem um valor imenso, enquanto símbolo de resistência da humanidade e de apreço à vida, num momento em que centenas de pessoas falecem, todos os dias, país afora, em leitos de UTI destinados à Covid-19, e que até este sábado já contabilizaram 10 mil mortes. Antonio Cavalcante da Mota, 64 anos, recebeu alta na tarde deste sábado, 9, de um dos 11 leitos do Instituto Nacional de Traumatologia e Ortopedia no Acre (Into-AC) – destinados a pessoa que se recuperam do novo coronavírus –, depois de experimentar uma jornada perigosa que incluiu respirar por aparelhos no Pronto-Socorro e ser transferido de leito, nesta quinta-feira, para uma UTI do Into-AC.

Na sacola, algumas mudas de roupas. No corpo, um moleton com blusa casual e sandálias de dedo. Antonio Mota não pôde ser entrevistado. Não tivemos o privilégio de saber sobre o que pensa a partir de agora mais um sobrevivente. E nem saberemos o que viveu ao longo de sua internação, dos detalhes de sua aflição, enquanto lutou contra um vírus que a todo custo quis ceifá-lo do convívio da família e dos amigos.

Mas certamente, o que é previsível, e visível no momento da foto, é o privilégio da nova chance. A oportunidade que faltava para Antonio bater no peito quando se recuperar totalmente e dizer:  – Sobrevivi a mais uma das tragédias do mundo. A uma pandemia que já levou muita gente preciosa, mas que não me destruiu enquanto precioso que sou para a família.

E para a enfermeira Lorena, que carinhosamente repassou a foto via aplicativo de celular, o sentimento é de gratidão pelo seu trabalho, e pelo de inúmeros profissionais de saúde que agora, neste momento, estão lutando fervorosamente pela vida de milhares de Antonios, de Marias, de Fernandas, de Marcelos, Manoeis, Joanas, Franciscas, Marcelas, de Marcos, de Glorias e Judites, de Cláudias, Fátimas e Graças.

E eles lutam também para que você fique em casa, e por mim, que estou trabalhando enquanto escrevo esse texto.

Neste sábado, o Acre registrou 366 curados de Covid-19. Tomando emprestado parte do Salmo 133 da Bíblia, de ‘Quão bom e suave é que os irmãos vivam em quarentena’ que possamos ter a esperança de que cedo ou tarde nos aproximaremos como antes, demonstrando ainda mais o nosso amor incontido. Mas dessa vez, com toques de mãos e apertos gostosos. Ah, como eu quero isso pra mim, para você e para a família de todos os Antonios que hoje anseiam por suas recuperações.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *