Na zona rural, três lições de superação como prova de amor pela Educação

Francisco Alberto Pilvino Shanenawa, 51 anos, 17 deles como professor na Educação Indígena, mudou-se no início deste ano para dentro das terras do Projeto de Assentamento Walter Arce, na zona rural do Bujari. Ele é professor do 1º ao 5º ano do ensino fundamental 1, na escola estadual rural Pedro Gomes de Lima, a 14 quilômetros do município do Bujari, dentro do assentamento destinado à reforma agrária.

Foto: Mardilson Gomes/SEE

Rogério Nogueira de Mesquita, 27 anos, é formado em geografia e servidor do quadro administrativo da Secretaria de Estado de Educação, Cultura e Esporte (SEE). Tornou-se gestor da escola estadual rural Nova Vida, no Projeto de Assentamento Espinhara 2, também destinado à reforma agrária. Tem mestrado e atualmente conclui doutorado na área de sexualidade no campo, pela Universidade Federal de Rondônia.

Sabrita Cruz da Silva, 24 anos, formada em Física, está concluindo mestrado profissional, nacional, na sua área de ensino, pela Universidade Federal do Acre (Ufac). É professora há três anos na escola Nova Vida, onde também leciona do 1º ao 5º ano do fundamental.

O que esses três educadores têm em comum, além da resiliência para trabalhar em locais praticamente inóspitos – onde no inverno a chuva isola, e no verão, a poeira desanima -, é o amor pelo ensino transformando suas vidas num verdadeiro sacerdócio pela Educação.

Rogério Mesquita, o diretor da escola Nova Vida, explica que nasceu na comunidade do Espinhara, foi para Rio Branco estudar, mas voltou para ajudar a formar as pessoas que deixou. “Esse elo de ligação com a comunidade local é o que me faz seguir em frente”.

Rogério de Mesquita, gestor da escola Nova Vida: local está bem estruturado, com internet e apoio irrestrito aos professores Foto: Mardilson Gomes/SEE

“Hoje, o nosso orgulho é poder fazer uma educação inclusiva, com vários projetos que envolvem diretamente a comunidade, que é o papel da escola”, ressalta ele, com a propriedade de quem respira educação nas 24 horas do dia.

Uma ou duas vezes por semestre, Mesquita se ausenta para dar cabo aos estudos do doutorado em Porto Velho. O curso é composto de módulos, o que permite que ele tenha flexibilidade de desenvolvê-lo.

Recentemente, a escola conseguiu um feito até então inédito, com a ajuda dos professores, dos estudantes e dos pais: produzir hortaliças em larga escala e abastecer a comunidade com o excedente da merenda escolar. Atualmente, a escola mantém uma série de projetos voltados para a agricultura, sobretudo, ao cultivo de repolho.

Sabrita da Silva, professora da escola Nova Vida; ela faz mestrado na sua área de atuação e, embora família tenha casa na cidade do Bujari, ela mora próximo à escola Foto: Mardilson Gomes/SEE

A escola Nova Vida oferece também dormitórios aos professores que, eventualmente, queiram optar por ficar na escola no período de vigência do ano letivo. Essa foi a opção inicial de Sabrita da Silva, a professora de Física que faz mestrado na Ufac.

No entanto, a cordialidade de uma servidora administrativa possibilitou que ela fosse acolhida como mais um membro da família, ao ser convidada a morar na sua casa. Hoje, a jovem professora orgulha-se de trajar o uniforme de professor adotado por quase todos os docentes.

“Eu gosto do campo. Eu gosto da sala de aula. Lecionar bem é no que eu acredito, até porque entendo que uma formação bem-elaborada serve para que as crianças e jovens daqui busquem também o melhor do conhecimento”, diz.

No seu entendimento, a “Educação liberta, forma consciência e precisa ser levada também para a zona rural”. “Engana-se quem pensa que aqui só tem bobos. O jovem da zona rural tem potencial para ser tão competente e feliz na vida quanto o da cidade. É isso que nós, professores, incentivamos nas nossas turmas”.

Secretário de Educação, Mauro Sérgio da Cruz, com a equipe do Núcleo da SEE no Bujari e o gestor Rogério de Mesquita, da escola Nova Vida; plantio de repolho na escola é um dos maiores da região Foto: Mardilson Gomes/SEE

Em dezembro de 2019, a escola Nova Vida passou por uma grande ampliação que a contemplou com mais quatro salas, quatro banheiros novos, além de uma cozinha e de um refeitório, todos em alvenaria.

Na última quinta-feira, 3, uma equipe liderada pelo secretário de Estado de Educação, Cultura e Esportes do Acre, Mauro Sérgio Ferreira da Cruz, esteve visitando a escola e inspecionando as obras de calçamento no entorno e da construção de uma parada de ônibus escolar coberta para os dias de inverno.

Equipe da SEE e do Núcleo da Educação do Bujari percorre obra de calçamento de ramal, em frente à escola rural do Espinhara; valorização dos estudantes e dos professores é o objetivo Foto: Mardilson Gomes/SEE

“Sem desmerecer os nossos professores, mas tenho muito orgulho dos que trabalham na zona rural. Muitas vezes, eles superam as dificuldades com o amor que possuem pela educação, e isso é muito importante para uma comunidade”, destaca o secretário Mauro Sérgio.

“Viver na zona rural é a coisa melhor que existe. Mas viver para educar as pessoas é maravilhoso”

“Meu nome é Francisco Alberto Pilvino Shanenawa. Tenho 51 anos, a esposa, quatro filhos e 14 netos. Faz oito anos que me formei em pedagogia e concluiu, em seguida, a pós-graduação em psicopedagogia. No início de 2020, me mudei aqui para dentro do projeto [de assentamento Walter Arce], porque queria que meus filhos e meus netos viessem juntos para plantar e criar”.

Francisco Alberto Pilvino Shanenawa diz ter orgulho de ser professor na zona rural Foto: Mardilson Gomes/SEE

A auto-apresentação de Pilvino Shanenawa é recheada de cordialidades, como ele costuma ser. O carismático indígena natural de Feijó, que há 17 anos tornou-se professor quando ainda na sua aldeia-natal, a Morada Nova, às margens do rio Envira, veio para Rio Branco morar na periferia. “Não gostei de tanta muvuca”, brinca ele. Arranjou um área de invasão no projeto de assentamento, para onde se mudou em janeiro com a mulher, três dos quatro filhos e outros quatro netos.

Secretário de Educação, Mauro Sérgio Ferreira da Cruz, ao centro, com diretores do Núcleo da Educação do Bujari e professores rurais da região do projeto de Assentamento Walter Arce; Escola Pedro Gomes de Lima pode ser ampliada em 2021 Foto: Mardilson Gomes/SEE

Hoje, na escola Pedro Gomes de Lima, a 14 quilômetros do Bujari (município a 24,1 quilômetros de Rio Branco), ele ministra aulas para alunos do 1º ao 5º ano do ensino fundamental 1.

Francisco Alberto Pilvino Shanenawa em trabalho de planejamento; ele diz ter orgulho de ser professor Foto: Mardilson Gomes/SEE

“Olha, digo um negócio ao senhor: viver na zona rural para mim, que sou índio, é a coisa melhor que existe. Mas viver aqui e educar as pessoas é muito mais que isso, é maravilhoso”, se empolga Pilvino Shanenawa, considerado pelos próprios colegas como um dos mais bem-capacitados professores da escola local.

Enquanto ele vai trabalhar, os quatro filhos,a esposa e os netos vão para o plantio de legumes e tratam da criação de frangos caipiras.

Biblioteca da escola Nova Vida, que em dezembro de 2019 passou por uma reforma, com novos pavilhões em alvenaria; Para 2021, objetivo é continuar revitalização dos espaços escolares na zona rural Foto: Mardilson Gomes/SEE

Com o crescimento populacional na região, sobretudo com as invasões dentro do projeto de assentamento, calcula-se que dobrou o número de pessoas morando no local, onde em 2019 estimava-se haver 800 famílias.

“Esse aumento os novos moradores já estará causando impacto na matrícula para o próximo ano”, prevê Laelia Muniz Occhi, gestora da escola Pedro Gomes de Lima. A instituição atende hoje a 260 estudantes distribuídos entre os ensinos fundamental e médio.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *