Secretaria Municipal de Saúde capacita agentes para trabalhar no pós-alagação e combate a leptospirose e dengue

A Prefeitura de Rio Branco, através da Secretaria Municipal de Saúde (SEMSA) iniciou nesta sexta-feira, 20, no Palácio do Comércio, a capacitação de Agentes de Saúde que irão intensificar o combate de doenças como a dengue e a leptospirose dentro das ações desenvolvidas no pós-alagação.
Ao todo, o reforço da capacitação irá acontecer para duzentos Agentes Comunitários de Saúde, de Endemias e de Controle de Zoonoses. Neste primeiro momento acontece o treinamento para noventa Agentes Comunitários. Na próxima sexta-feira, 27, o reforço será para os Agentes de Endemias e os Agentes de Controle de Zoonoses passarão por um treinamento no próprio centro de controle.
A primeira etapa da capacitação dos Agentes Comunitários de Saúde tem como tema leptospirose, dengue – epidemiologia, que está sendo ministrada pela enfermeira Karen Beiruth. A capacitação terá prosseguimento com o enfermeiro Junior Mota e com o médico Mário Cezar, que falarão sobre dengue no campo e cuidados básicos em situação de enchente.
De acordo com o chefe do Departamento de Unidades Básicas da Secretaria de Saúde (SEMSA), Félix Araújo, ao todo foram quinze unidades atingidas pela cheia do rio Acre e os próprios funcionários da Secretaria também foram atingidos diretamente pelas águas. “Por isso, essa capacitação serve tanto para eles quanto também para que eles possam realizar a orientação nos domicílios onde eles trabalham”, explicou.
O objetivo da capacitação que está sendo realizada aos Agentes Comunitários de Saúde é que eles possam levantar os casos suspeitos tanto de dengue quanto de leptospirose, fazer a identificação desses casos e a orientação do tratamento mais adequado, encaminhando ao sistema de saúde.
Na verdade, os Agentes Comunitários de Saúde e os Agentes de Endemias da SEMSA irão continuar com o trabalho rotineiro em toda a cidade, realizando o reforço dessas orientações nos cinquenta e três bairros que foram atingidos pela cheia do rio Acre, cuja cota máxima chegou a 18,40 metros no último dia quatro de março.
“O objetivo é que se possa desmitificar a ideia da leptospirose, que os agentes aprendam como levantar casos suspeitos na comunidade, que eles possam encaminhar o tratamento adequado e que façam acompanhamento desses casos para que a gente iniba o adoecimento da população e também os óbitos”, explicou Félix Araújo.
A diretora da Vigilância Epidemiológica da SEMSA, Luana Esteves, explica que os agentes que trabalham de forma rotineira no combate a essa duas doenças (leptospirose e dengue) já estão atuando nos abrigos e bairros orientando as pessoas a se prevenirem e como voltar para casa da forma mais segura.
Luana explica que devido ao grande número de pessoas e bairros a serem alcançados, é necessário, que todos os Agentes tenham esse reforço na capacitação para atuar. “É um momento atípico e que precisa de uma resposta rápida, por isso vamos capacitar a maioria do nosso pessoal”, destaca.
A diretora destaca que os principais pontos da capacitação, que serão repassados às famílias atingidas pela cheia histórica do Rio Acre são: a forma segura de limpar a casa (usando proteção de luvas, botas ou sacolas plásticas nas mãos e pés), a ferver e filtrar a água, ou ainda usar o hipoclorito e o descarte de objetos que estejam contaminados.
Luana Esteves ressalta ainda que os Agentes de Controle de Endemias vão ter reforço na capacitação de Controle de Roedores e vão trabalhar na orientação a alunos e professores de escolas de áreas atingidas pela alagação e nos bairros onde há registros da leptospirose, como o Cidade Nova e o Taquari.

Da Assessoria

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *