Todas as regiões do Acre passam para a bandeira laranja

Após mais 14 dias de avaliação pelo comitê do governo do Acre junto a representantes do pacto Acre sem Covid, ficou decidido nesta segunda-feira, 20, que todas as cidades do estado agora passam a integrar a bandeira laranja em relação à pandemia do coronavírus, que indica fase de alerta e permite a flexibilização do comércio, com reabertura gradual dos estabelecimentos.

A regional do Alto Acre, do Baixo Acre/Purus e Juruá/Tarauacá/Envira ficaram com nota 13 na análise que ocorreu entre o dia 5 a 18 de julho. O relatório técnico aponta que, com esta nota, todos os 22 municípios que compões as regionais verificadas poderão adotar as medidas de flexibilização do decreto que impedia o funcionamento de estabelecimentos considerados não essenciais durante a pandemia da Covid-19.

Embora a mudança de faixa seja concretizada, não significa que o Acre esteja livre da pandemia. Pelo contrário. De acordo com a coordenadora do Comitê de Acompanhamento Especial da Covid-19, Karolina Sabino, agora deve haver apoio redobrado da sociedade com relação às medidas de distanciamento, higienização e responsabilidade no combate ao vírus, uma vez que haverá circulação maior de pessoas nas ruas.

Para chegar à conclusão de que todas as cidades passariam para a bandeira laranja (alerta), a taxa de ocupação dos leitos de Unidade de Terapia Intensiva (UTI) foi determinante. A regional Juruá e Tarauacá/Envira conseguiu permanecer na faixa de alerta, sem regredir para a fase de emergência.

Templos religiosos e academias, por exemplo, só estão liberadas para reabrir a partir da bandeira amarela, que indica uma faixa de atenção por conta do vírus. Ainda esta semana, o comitê estará reunindo todos os prefeitos do Acre num workshop para apesentar os dados coletados nos últimos 14 dias e, que assim, os gestores possam avaliar qual a melhor forma de garantir uma reabertura do comércio de maneira segura, levando em conta as recomendações da Organização Mundial de Saúde (OMS) e do pacto Acre sem Covid.

“O objetivo principal desse processo é criar estratégia a fim de promover um ambiente harmônico para que haja proteção a saúde e desenvolvimento econômico”, explica Sabino, garantindo se tratar de um processo com afinidade científica. Este já é o terceiro ciclo de classificação em meio à pandemia no estado, que dentro de um conjunto de 7 indicadores, chega a uma nota geral que varia de 0 a mais de 15. Dependendo da nota ao final do somatório dos indicadores analisados, há a classificação das regionais.

Se for igual ou superior a 15, significa que a região se encontra em estado de emergência, devendo manter com as atividades fechadas. Entre 11 a 14, aponta para a faixa laranja, com possibilidade da reabertura gradual do comércio. Com nota de 6 a 10, significa faixa amarela, estado de atenção e com permissão para abertura de igrejas e academia. Já nota de 0 a 5, indica a faixa verde, apontando para o cuidado com a infecção do vírus e abertura total do setor econômico e demais atividades que possa haver aglomeração de público.

A regional do Alto Acre e o Baixo Acre reduziu significativamente a taxa de ocupação em leitos de UTI, podendo ser reclassificada para a faixa laranja. Embora o Acre tenha apresentado redução no número de óbitos recentemente, este não é o único, nem o indicador mais importante para a reabertura do comércio. “Óbito não influencia tanto quanto a taxa de ocupação em leito de UTI. Com queda no leito de UTI, há um impacto muito maior”, diz a coordenadora.

O Alto Acre obteve nota de 12,20 nessa classificação, e com o arredondamento, chegou a nota 13. A regional Baixo Acre/Purus ficou com nota 12,82, também ficando com arredondamento para cima e alcançando nota 13, ambas pairando na bandeira laranja, onde Juruá, Tarauacá/Envira já está desde a última classificação.

“Flexibilização não é relaxamento. Quanto mais se flexibiliza, mais rígido temos que ser em elação às medidas sanitárias, pois mais aglomeração vai haver por conta do movimento das atividades comerciais”, salienta o governo do Acre.

A próxima coletiva para divulgação da nova classificação das regiões está marcada para ocorrer no dia 5 de agosto, com avaliação entre os dias 19 e 1° de agosto. O governo irá divulgar nos próximos dias uma plataforma online onde será possível verificar todas as informações sobre o funcionamento das atividades econômicas neste período de faixa laranja.

“Com a abertura de algumas atividades, a população deve entender que há necessidade de se resguardar e fazer acontecer o isolamento para controlar a proliferação viral”, conclui Sabino.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *