Turbinas de usina no Rio Madeira são religadas após nível baixar

As turbinas da Usina Hidrelétrica (UHE) Santo Antônio, construída no Rio Madeira, em Porto Velho, foram religadas na madrugada de domingo (27), informou o Operador Nacional do Sistema (ONS). Em fevereiro, o ONS ordenou o desligamento de 11 das 17 turbinas em atividade como procedimento padrão de segurança, por conta da cheia história do Madeira em Rondônia, que atingiu seu maior pico – 19,74 metros – no dia 30 de março. Como o rio começou a baixar, as turbinas foram reativadas. Nesta segunda-feira (28), o nível do rio baixou para 17,65 metros, conforme aferição da Agência Nacional de Águas (ANA).

Segundo o ONS, não houve prejuízos ao sistema de energia elétrica nacional. A medida adotada é um procedimento padrão de segurança amparada pelo Plano de Prevenção de Controle de Cheia permitindo que a água passasse sem gerar energia. Procurada pelo G1, a usina não se pronunciou sobre o caso.

À época, a Companhia de Pesquisas de Recursos Minerais (CPRM) explicou que a água do rio chega a usina numa velocidade e ao sair fica mais forte gerando os banzeiros (ondas formadas pela força da correnteza do rio).

Cheia histórica

A maior enchente registrada no Rio Madeira, em Rondônia, atingiu mais de 30 mil pessoas, entre desabrigados e desalojados, afetando principalmente os municípios: Porto Velho, Nova Mamoré e Guajará-Mirim. O Governo de Rondônia estima em mais de R$ 5 bilhões o custo para reconstrução das áreas atingidas pela cheia.

No período de cheia, mais de dois meses, a BR-364, único acesso ao Acre por terra, sofreu diversas interdições por conta da lâmina de água sobre a pista que, em seu momento mais crítico, chegou a ser totalmente bloqueada, isolando parte de Rondônia e o Acre.

Ivanete Damasceno Do G1 RO

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *