Publicado em 7 de fevereiro de 2013

Após fiscalização, dez casas noturnas são interditadas provisoriamente na capital

Dez casas noturnas de Rio Branco foram interditadas temporariamente. O anúncio foi feito na tarde desta quarta-feira, 6, pelo prefeito da capital, Marcus Alexandre. Depois da tragédia em Santa Maria, no Rio Grande do Sul, a prefeitura, em conjunto com o governo do Estado, através do Corpo de Bombeiros, intensificou o trabalho de fiscalização em casas noturnas. Nessa primeira etapa, 20 estabelecimentos foram vistoriados levando-se em consideração as normas em âmbito federal, estadual e municipal.

Metade das casas noturnas precisa fazer readequações em menor grau. Os empresários tiveram que assinar um termo de compromisso, comprometendo-se a fazer as mudanças propostas pelos técnicos. O prazo máximo é de 45 dias, tanto para as questões de infraestrutura quanto da documentação. Na lista estão Amazônia Hall, 14 BIS, X-43, Le Napoleon e Bonaparte Café, Excalibur, Villa Club, Maison Borges, Forró do Chocolate, Sborba e Assermurb.

De acordo com o prefeito, o maior objetivo da ação foi aumentar o rigor da fiscalização para garantir a integridade das pessoas que frequentam os estabelecimentos. “Nosso objetivo é proteger vidas, e não prejudicar os empresários. Manteremos equipes de plantão para fazer novas vistorias tão logo as mudanças sejam concluídas”, disse Marcus Alexandre.

Estão entre as casas interditadas temporariamente Sahara, Posh Club, Se7 Club, Studio Rock Bar, Templárius, Esquinão do Forró, Forró do Valdomiro, Forró do Amiraldo, AABB e Tantamen. Os relatórios contendo as irregularidades e as proposições de mudanças foram entregues aos responsáveis pelos estabelecimentos. O comandante do Corpo de Bombeiros em exercício, coronel Flores, informou que desde o dia 31 de janeiro as equipes realizaram visitas às casas noturnas. Segundo ele, as principais deficiências encontradas foram em relação às saídas de emergência, sinalização e iluminação de emergência, distância mínima de segurança, extintores, isolamentos, hidrantes, condições de edificação e condições sanitárias. Outro aspecto importante é referente ao cumprimento do projeto de combate a incêndio e pânico.

“Estamos ampliando o rigor em relação ao cumprimento das leis, a exemplo do que está sendo feito em todo o país. Mais de mil estabelecimentos já foram interditados depois da tragédia”, ressaltou o coronel.

A partir desta quinta-feira, 7, uma nova etapa de fiscalização será iniciada em casas noturnas e bufês.

Deixe seu comentário

Mensagem (Obrigatório)