Publicado em 25 de abril de 2013

Eletrobras assina acordo com ONG presidida por Arnold Schwarzenegger

O presidente em exercício da Eletrobras, Miguel Colasuonno, o diretor de Distribuição da companhia, Marcos Aurélio Madureira, e o ex-governador da Califórnia Arnold Schwarzenegger assinaram nesta quinta-feira (25), o Memorando de Entendimento da companhia brasileira com a ONG Regions of Climate Action (R20), presidida por Schwarzenegger. O evento ocorreu na sede da Fundação Dom Cabral, no Leblon, zona sul do Rio.

“A Eletrobras, sendo uma das maiores empresas de energia renovável do mundo, continuará investindo em projetos que permitam a ampliação da presença na matriz energética brasileira das diversas fontes que atendem aos critérios de eficiência e sustentabilidade. Esse memorando aprofunda iniciativas conjuntas que a R20 já possui com o GSEP (Global Sustainable Electricity Partnership), que reúne as maiores empresas de energia renovável do mundo, incluindo a Eletrobras. Temos muito orgulho disso”, afirmou Colasuonno.

O objetivo do memorando é estabelecer parcerias e troca de experiências entre a Eletrobras e a R20 para desenvolver projetos de eficiência energética e uso de fontes renováveis de energia, em três áreas: desenvolvimento de projetos para atuar na geração de energia junto ao projeto-piloto de smart grid desenvolvido em Parintins (AM), elaboração de projetos de uso de tecnologia LED na iluminação pública de cidades brasileiras e prospecção de projetos de geração de energia a partir de biogás, no Brasil e na América do Sul.

“Admiramos o que o Brasil está fazendo em energias renováveis e para redução de emissão de CO2. O Brasil tem grandes ideias, que o mundo deveria imitar”, afirmou Schwarzenegger. Fundada em 2010, por Schwarzenegger, então governador da Califórnia, em associação com líderes globais e em cooperação com as Nações Unidas, a R20 tem por missão “ajudar estados, províncias, regiões e outros governos subnacionais em todo o mundo a desenvolver, implementar e comunicar projetos de desenvolvimento econômico de baixo carbono e resistência climática, políticas e melhores práticas”.

 

Projetos

 

O Projeto Parintins, que a Eletrobras realiza com a Eletrobras Amazonas Energia em Parintins (AM), é desenvolvido no município homônimo (a 369 quilômetros de Manaus) desde 2010. A ação recebe recursos das seis distribuidoras de energia da Eletrobras, por meio do programa de Pesquisa e Desenvolvimento (P&D) e Eficiência Energética regulamentado pela Agência Nacional de Energia Elétrica (Aneel). A iniciativa prevê o uso de tecnologias avançadas de smart grid, ou seja, redes inteligentes para a automação do sistema de distribuição de energia elétrica na medição e monitoramento do consumo, que, desta forma, dispensa a utilização de leituristas, para aferir o consumo das residências, e de operadores, para realização de algumas intervenções nas redes elétricas.

 Existem hoje no Brasil algumas concessionárias com projetos similares, mas Parintins está em um estágio mais avançado de implantação. Até junho, o Projeto Parintins já terá instalado todos os 3.500 medidores inteligentes. Esses equipamentos irão possibilitar ao consumidor acompanhar e calcular seu consumo de energia elétrica, além de monitorar sua conta via internet.

O projeto também fará a instalação de painéis fotovoltaicos (energia solar) nos telhados de várias residências de Parintins, iniciativa que deve alterar o papel do consumidor comum que poderá gerar energia para o sistema de distribuição da concessionária. Pelo estabelecido no acordo, a Eletrobras e a R20 estudarão a possibilidade de ampliar essa iniciativa, trocando boa parte da energia, hoje gerada por óleo diesel, por fontes renováveis, como solar, eólica, biogás e biodiesel. Além disso, será estimulado o uso eficiente de energia elétrica nos prédios públicos do município, incluindo iluminação e geração com painéis solares.

“Desenvolver e aplicar tecnologias avançadas para a distribuição de energia elétrica em regiões com características geográficas e climáticas distintas, com temperaturas elevadas e altos índices pluviométricos, é um importante desafio que está sendo vencido pelas distribuidoras do Sistema Eletrobras”, afirma o diretor de Distribuição da Eletrobras, Marcos Aurelio Madureira da Silva.

 No caso da iluminação pública utilizando a tecnologia LED, o objetivo é investigar a aplicabilidade da substituição da iluminação convencional pela nova tecnologia nos municípios brasileiros, além de estimular a produção acadêmica sobre eficiência energética na área. Estima-se que a economia de energia com a troca seja da ordem de 80%, além da redução de custos com substituição e manutenção de equipamentos como lâmpadas, relés e luminárias.

O uso biogás para geração de energia elétrica tomarão por base a experiência de Itaipu com a geração utilizando o biogás produzido em pequenas propriedades rurais na região da usina. A metodologia já serviu de modelo para projeto-piloto na cidade de San Jose, no Uruguai, coordenado pela Global Sustainable Electricity Partnership (GSEP), entidade formada pelas maiores empresas de energia renovável no mundo, incluindo a Eletrobras. O objetivo é ampliar esse projeto-piloto para várias cidades brasileiras e também para a América do Sul.

 

PID

O diretor de Administração da Eletrobras, Miguel Colasuonno, confirmou hoje que o Programa de Incentivo ao Desligamento (PID) deverá começar em maio. Segundo o executivo, a empresa já recebeu autorização do Ministério de Minas e Energia para abrir as inscrições para o programa, que, disse Colasuonno, deve ter a adesão de algo entre 20% e 25% dos 28 mil empregados do Sistema Eletrobras. De acordo com o diretor, o processo deverá levar cerca de três anos para ser concluído.

Deixe seu comentário

Mensagem (Obrigatório)