Publicado em 28 de novembro de 2012

Farofa no ventilador

O deputado federal Márcio Bittar (PSDB) aposente a tese de ser o único nome ao governo em 2014 pela oposição. O senador Sérgio Petecão (PSD) disse à coluna que, não fez acordo com ninguém, é candidato a governador, está trabalhando para isso, e defende o uso de pesquisas.

Outra conjuntura
O fato de Fernando Melo (PMDB), seu candidato à PMRB, ter tido pífia votação, não vê como atrapalho, pois, na sua visão o candidato agora será ele e isso leva a uma nova conjuntura.

Choque de projeto
Esse novo ingrediente entra em choque com o projeto do deputado federal Márcio Bittar (PSDB) de que só será candidato ao governo num único contexto, o da unidade da oposição.

Lei de Muricy
A posição do senador Sérgio Petecão (PSD) mostra que nada m udou após a última eleição municipal e em 2013: continuará adotando a Lei de Murici, onde cada um é que cuide de si.

Liderança que só perde?
Importante cacique do PMDB discordava ontem, com ironia, da “liderança” de Tião Bocalon (PSDB), indagando: “que líder é esse que não consegue ganhar uma eleição que disputa?”

Boi sem chocalho
Sobre a importância de Tião Bocalon na campanha de 2014, esse cacique, minimizou a sua força: “Luis Carlos, o político sem mandato é como boi sem chocalho, não puxa a manada”

Qual é a do gladson?
Afinal, o que pensa o bem avaliado deputado federal Gladson Cameli (PP)? Nos bastidores se diz candidato ao Senado em 2014 e quando dá entrevista noticia sua candidatura à reeleição.

Porto inseguro
Na política, a insegurança, nunca foi um porto seguro para cargos majoritários.

Prato do domingo
Numa roda política, no último domingo, no Shopping, o prato do dia era malhar o assessor político do governo, Nepomuceno Carioca, com mimos que iam do “tirano” ao “ditadorzinho”.

Comedores de banha
Todos enganados. O Carioca não é um radical, só precisa ser convencido por uma idéia melhor. A outra: não fala por ele, as suas posições sempre estão em consonância com quem governa.

Muito simples
E o Carioca só fala o que, quem está acima dele não pode falar por uma ou outra razão, foi o meu pitaco, quando passava e fui chamado a dar a minha opinião como jornalista.

Cerne da questão
O prefeito de Cruzeiro do Sul, Vagner Sales, foi ao cerne da questão, ao dar sua visão à crise da quase maioria das prefeituras: “o problema é que gastaram mais do que arrecadaram”.

Mais além
Vou mais além: some-se isso ao fato da quase maioria dos prefeitos serem medíocres.

Que coisa impressionante!
Leio sobre suposta tentativa de interferência do tucano Normando Sales junto aos prefeitos eleitos do PSDB para montar esquemas. Impressionante, o Normando tem imã para confusão!

Direito ao contraditório
Sobre a defesa da coluna de se dar o direito ao MP de investigação, conforme projeto em andamento na Câmara Federal, a Associação dos Delegados de Polícia Civil fez contestação.

Evitar a inquisição
A Constituição Federal, diz, quando atribui à Polícia Civil o poder de investigar é para livrar o Processo Penal do sistema inquisitivo, no qual o mesmo órgão que investiga é o que denuncia.

Prerrogativa constitucional
É que é prerrogativa constitucional é de que a investigação seja feita pela Polícia Judiciária (Polícia Civil e Polícia Federal), é o que precisa ser dado à polícia é a total isenção política.

Meu comentário
No tocante á isenção política, eu concordo plenamente. O delegado tem que estar acima de tudo protegido legalmente contra esse cancro que é a ingerência política que às vezes ocorre.

Palavra cassada
Na reunião de ontem do governador Tião Viana com os prefeitos eleitos não foi dada a palavra ao representante de Rodrigues Alves, devido a briga jurídica entre o Burica (PT) e o Deda (PP).

Protocolo quebrado
Mas o Deda quebrou o protocolo pediu para falar e deixou claro que, quem ganhou a eleição foi ele, que recorreu contra a cassação, e até o TSE não decidir é ele que é o prefeito.

Calado ficou
O prefeito atual, Burica (PT), inchou que nem sapo cururu com raiva, mas resolveu ficar calado.

Preocupação com o acerto
O prefeito eleito de Epitaciolândia, André Hassem (PSDB), começa bem ao fazer um pente fino em quem vai ocupar cargo de secretário e tendo como principal critério que seja competente.

Política com ele
Quer os técnicos fazendo com esmero a parte técnica e a parte política ficando com ele.

Melhor coisa
O arquivamento da idéia de se criar uma aposentadoria para os deputados foi a melhor coisa que a mesa diretora fez, se fosse ao plenário iria causar um desgaste popular gigante à Casa.

Não se entusiasmem
Os prefeitos eleitos vejam a reunião de ontem com o Tião Viana como um ato institucional e da liturgia democrática do governador. Não esperem que vá entupir as prefeituras de dinheiro.  O que cada um deve fazer é enxugar as prefeituras, reduzir cargos, e não gastar além do caixa.

Por Luis Carlos Moreira Jorge

Deixe seu comentário

Mensagem (Obrigatório)