Relatório do Ministério Público aponta redução de homicídios e roubos nos primeiros três meses de 2019

O número ainda é tímido, mas expressa que houve uma redução dos crimes de homicídios e roubos em todo o estado. É o que aponta o relatório que monitora a Segurança Pública feito pelo Ministério Público do Acre. O período demarcado no relatório é de 1 de janeiro à 29 de março deste ano.

Segundo os dados, o estado apresentou uma redução no número de mortes violentas de 25,7% se comparado ao mesmo período do ano passado. Dos vinte e dois municípios existentes no Acre, oito não tiveram homicídios registrados até 29 de março.

A capital apesar de concentrar 67% dos crimes contra a vida ocorridos em todo o estado este ano, apresentou redução de 11,5%. Nos municípios do interior o que mais se destacou foi Cruzeiro do Sul com a expressiva redução de 86% neste primeiro trimestre. Capixaba que no ano passado registrou quatro assassinatos, este ano ainda não registrou nenhuma morte violenta.

No que diz respeito à crimes contra o patrimônio, o relatório do Ministério Público monitorou os registros da capital acreana do dia 1 de janeiro ao dia 18 de março. A redução apresentada foi de 23,1% e a média diária dos assaltos caiu de 23 ocorrências em 2018, para 17 em 2019.

No que tange as cinco regionais da capital, todas apresentaram redução dos assaltos, contudo a segunda regional é a que mantém a mesma incidência de crimes no período de comparação.

Para o Secretário de Estado e Justiça da Segurança Pública, Coronel Paulo Cezar, esses números refletem as ações desencadeadas desde o início da gestão.

“Esses números não refletem apenas a utilização do policiamento ostensivo que reforçamos nesses meses, mas também as medidas adotadas nos presídios no interior do estado, onde houve expressiva redução de crimes. Toda semana o Sistema Integrado se reúne e debatemos estratégias com decisões compartilhadas e consequentemente as ações que carecem de apoio mútuo são definidas de forma mais célere, resultando na maior presença policial nas ruas”, destacou.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *