Tentativa de homicídio em Escola de Sena Madureira foi motivada pela guerra entre facções

Quase três anos depois, de um aluno ser atingido com um tiro na cabeça em plena  sala de aula,  uma escola do município de Sena Madureira, distante 144 km de Rio Branco, volta ser  palco de violência.

Eram 15h30 de quarta-feira, dia 20, quando três estudantes da Escola Dom Julio Mattioli, tentaram matar, dois outros alunos  do mesmo colégio.

O ataque, aconteceu no portão da escola, no momento em que  a vítima  das iniciais R.S.S. de 16 anos, tentava fugir da escola, mas  foi surpreendido pelos criminosos e, mesmo escalando   o muro, foi atingido com 5 facadas, sendo duas na região do tórax.

Na mesma ação criminosa, o trio tentou contra a vida do  estudante das inicias G.P.D. de 15 anos. O adolescente conseguiu escapar ao pedir ajuda na direção do colégio.

De acordo com relatos da vitima G.P.D, a tentativa de homicídio foi motivada pela a guerra de facções. Antes do ataque, um dos envolvidos, perguntou se G.P.,  era integrante do comando vermelho

Quando a Polícia Militar chegou ao local da ocorrência, dois envolvidos no crime tinham fugido. Mas o menor das inicias E.C.S. de 16 anos, foi apreendido ainda no interior do estabelecimento de ensino e, confessou sua participação no caso.

Com base nas informações colhidas, junto as  testemunhas,  policiais militares de Sena Madureira, conseguiram localizar os outros dois autores.

Os adolescentes das inicias J.P.O.C de 17 anos, que seria o autor das facadas e, W.M.S também de 17 anos, foram apreendidos no Bairro Vitória. Há pouco tempo, segundo à  policia, o estudante que desferiu as facadas, teria sofrido uma tentativa de homicídio. Os três autores do crime foram encaminhados a delegacia do município.

Violência na Escola é recorrente em Sena Madureira

Em março de 2017, o estudante Samuel Nascimento, então com 15 anos, foi atingido com um tiro na cabeça, dentro de sala de aula. O crime aconteceu na Escola Raimundo Hermínio de Melo, foi presenciado por alunos e professores. A vítima foi sorrida, mas morreu quatro dias depois no pronto socorro de Rio Branco.

O acusado do crime Dione  Alves, foi preso em flagrante. Levado a Júri Popular no ano passado, foi condenado a 25 anos de prisão.

 

 

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *